Ambiente favoráveis

Compartilhar em:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Imagem: Maurizio Nemo | Pixabay.

O lixo gerado em uma residência costuma ser separado em orgânico ou reciclável, nas condições descritas, nas quais se tem uso dos dispositivos que citamos, também é importante fazer a separação do lixo contaminado ou infectante. Assim, é preciso entender como separar e os motivos pelos quais o lixo precisa ser condicionado e descartado corretamente.
Frequentemente as pessoas separam todo lixo que teve contato com familiar acamado em contaminado e entregam nas unidade de saúde, entretanto essa prática não é recomendada pois nem todo material que teve contato com alguém doente em casa é contaminado e todo lixo misturado como contaminado torna-se contaminado, impedindo a separação posterior.
O descarte do material entregue no serviço público é feito pelo poder público pois o lixo contaminado ou infectante precisa passar por um processo de desinfecção chamado autoclavagem. Este processo custa muito caro e é pago pelos cofres públicos para ajudar a proteger o meio ambiente da contaminação por micro-organismos nocivos.
Assim, listamos abaixo os lixos gerados mais comumente nos cuidados a pacientes acamados em três principais grupos para se ter em residências.

 

Restos de medicações devem ser separados em saco específicos e entregues nos serviços de saúde pois são considerados químicos e poluem o ambiente. Materiais radioativos como pilha e baterias, identificados e descartados em recicláveis.
Materiais como seringas de insulina com agulhas acopladas, lancetas, vidros de vidros de insulina precisam ser armazenadas em recipiente rígido – para que ninguém se fira- e descartados como infectante.

Fonte: https://www.biot.fm.usp.br/pdf/cibio_Cartilha_descarte_de_residuo_FMUSPHC.pdf. Acesso em: 20 jun. 2021.